Blog Bem Gasto

Manda nudges!


Calma, gente! Eu disse “NUDGES”, com a letra “G” no meio da palavra. Caro leitor, não confunda com outras coisas inapropriadas para este blog. Mas se não é aquela outra coisa, o que eu pedi para você mandar?

O nudge é um conceito amplamente divulgado por Richard Thaler, vencedor do Prêmio Nobel de Economia, e se baseia em alterar o ambiente no qual a pessoa está tomando uma decisão para alterar o comportamento dela (utilizando dos vieses inconscientes) e, por consequência, sua escolha.


A palavra nudge em inglês, traduzida para o nosso idioma, significa “um leve empurrão”, como se o nudge estivesse nos empurrando para uma escolha melhor.

Parece muito complexo, porém nada melhor que exemplos para facilitar o entendimento. Em um refeitório de uma escola, centenas de crianças esfomeadas após uma manhã inteira de aulas estão prontas para atacar a batata frita e outros alimentos gordurosos que podem gerar problemas nas aulas de educação física no período da tarde. Com o objetivo de melhorar a alimentação, ao invés de proibir esses alimentos, a escola altera a maneira como os alimentos serão organizados no balcão de comida, deixando os alimentos saudáveis mais visíveis aos alunos em relação aos menos saudáveis. Isso faz com que vejamos mais salada e menos coxinha no prato dos alunos.


Nessa situação, o nudge foi usado para melhorar a saúde, mas será que ele pode ser usado para melhorar nossa vida financeira?

Os nudges também são criados no formato de alertas e lembretes com o intuito de mudar seus hábitos e corrigir erros. Um bom exemplo de nudge é você receber uma mensagem de texto do banco, toda vez que sua conta entra no cheque especial. Talvez você tenha um investimento que você possa sacar para não pagar os altos juros. Outra mensagem lembrando que você tem que pagar a fatura do seu cartão também evita prejuízos da multa e dos juros.

Algumas empresas já trabalham com esta tecnologia de disparo de mensagens com dicas com o intuito de melhorar hábitos. Algumas academias mandam mensagens para os clientes se alimentarem bem e não faltarem aos treinos, e empresas financeiras enviam dicas de educação financeira para diminuir a inadimplência.

Você deve estar pensando: “ok, mas meu banco não fornece nudges, e não tenho como contratar essas empresas para receber dicas diárias que me lembram de poupar. O que faço com isso?”. Dúvida válida, caro leitor.


Minha resposta é: seja criativo!


Muitas vezes criamos nossos nudges e nem percebemos. Quando colocamos o despertador longe da cama, alteramos nossa arquitetura de escolha. Agora a decisão não é apenas entre esticar o braço e apertar o botão de “soneca” ou deixar tocando, mas entre levantar da cama ou deixar tocando. Isso nos força a sair da cama, diminuindo a probabilidade de perder o horário com o famoso “só mais 5 minutos”.


Um possível nudge financeiro é colocar uma imagem do seu filho na carteira parar lembrar que você terá que poupar para a faculdade dele ou colocar um pote para depositar moedas na entrada de casa, assim você criará o hábito de jogá-las no pote e não as perder por aí.


Como desenvolver uma boa arquitetura de escolha é algo que deveria ser amplamente estudado pelos governos, empresas e até por nós mesmos, para criar soluções simples e que alterem nossos hábitos, melhorando nossas vidas. Porém, muitas vezes ela é utilizada para o “mal”, como uma ferramenta do marketing, e deixamos que ela aproveite dos nossos vieses comportamentais para que gastemos de maneira mais irresponsável.

Essas armadilhas psicológicas colocadas por muitas empresas, serão apresentadas futuramente neste blog. Ao saber quais elas são, poderemos desarmá-las. Até lá, fica a minha sugestão, poucas coisas são melhores pra sua vida financeira que receber um belo nudge!


Meu nome é Rubens Sanghikian, economista e escolhi me voluntariar na Bem Gasto, utilizando a educação financeira como meio de combate à pobreza e desigualdade social. Neste blog postarei artigos na linha de como podemos utilizar a economia comportamental e políticas públicas para melhorar as nossas finanças. Até mais =D




72 visualizações